30 set, 2014

Islam – Aspectos Gerais

30 set, 2014

O Calendário Islâmico

O calendário islâmico consiste em doze meses lunares (que se iniciam com o surgimento de cada lua nova) que possuem 29 ou 30 dias, sendo portanto um calendário móvel em relação ao calendário ocidental.

Os doze meses islâmicos são:

1 – MUHARRAM
2 – SAFAR
3 – RABI UL AWWAL
4 – RABI UL THANI
5 – JUMADA AWWAL
6 – JUMADA THANI
7 – RAJAB
8 – SHA”ABAN
9 – RAMADAN
10 – SHAWWAL
11 – DHUL QIDA
12 – DHUL HIJJA

A HIJRA (emigracão do profeta (S.A.A.S.) de Makka a Medina) marca o início da contagem anual do calendário islâmico.

Calendário Islâmico – As Datas mais Importantes

Dez primeiros dias de Muharram – ASHURÁ – martírio do IMAM AL HUSSAIN (A.S.)

12 de Muharram – Martírio do Imam ALI ZAIN UL ABIDIN (A.S.)

7 de Safar ARBAIN 40 dias do martírio de imam AL HUSSEIN (A.S.)

28 de Safar – falecimento do profeta MOHAMMAD (S.A.A.S.) e martírio do imam AL HASSAN (A.S.)

30 de Safar – martírio do imam ALI AR RIDA (A.S.)

8 de Rabi ul awwal – martírio do imam HASSAN AL ASKARI (A.S.)

12 de Rabi ul awwal – nascimento do profeta MOHAMMAD (S.A.A.S.)

17 de Rabi ul awwal -nascimento do Imam JAFAR AS SADIQ (A.S.)

10 de Rabi ul tháni – nascimento do imam HASSAN AL ASKARI (A.S.)

13 de Jumada Awwal – FATIMYYAH falecimento de FÁTIMA ZAHRAH (A.S.)

3 de Jumada Thani – fechamento possível da FATIMYYAH

20 de Jumada Thani – nascimento de FÁTIMA ZAHRAH (A.S.)

1 de Rajab – nascimento do imam MOHAMMAD AL BAQIR (A.S.)

3 de Rajab – martírio de imam ALI AL NAQI (A.S.)

10 de Rajab – nascimento de Imam MOHAMMAD AT TAQI (A.S.)

13 de Rajab – nascimento de Imam ALI AMR AL UMUUMININ (A.S.)

25 de Rajab – martírio de Imam MUSSA AL KADZIM (A.S.)

26 de Rajab – NOITE DA ASCENSÃO DO PROFETA MOHAMMAD(S.A.A.S.)

3 de Shaaban – nascimento do Imam AL HUSSAIN (A.S.)

5 de Shaaban – nascimento de Imam ALI ZAINUL ABDIN (A.S.)

15 de Shaaban – nascimento de Imam AL MAHDI (A.S.)

1 de RAMADAN – INÍCIO DO JEJUM OBRIGATÓRIO DO MÊS SAGRADO

15 de Ramadan – nascimento do Imam AL HASSAN (A.S.)

21 de Ramadan – martírio do Imam ALI AMR AL UMUMININ (A.S.)

1 de Shawwal – EID AL FITR, FESTA DE ENCERRAMENTO DO JEJUM

25 de Shawwal – martírio do Imam JAFAR AS SADIQ (A.S.)

11 de Dhul Qida – nascimento do Imam ALI AR RIDA (A.S.)

29 de Dhul Qida – martírio do Imam MOHAMMAD ATTAQI (A.S.)

1 de Dhul Hijja – início do HAJJ (Peregrinação anual)

7 de Dhul Hijja – martírio do Imam MOHAMMAD AL BAQIR (A.S.)

10 de Dhul Hijja – EID AL ADHA, FESTA DO SACRIFÍCIO (Encerramento da Peregrinação Anual)

15 de Dhul Hijja – nascimento do Imam ALI AL NAQI (A.S.)

18 de Dhul Hijja – EID AL GHADIR

Diz Allah o Altíssimo no Alcorão:

“PARA ALLAH O NÚMERO DOS MESES É DOZE, COMO REZA O LIVRO DIVINO DESDE O DIA EM QUE CRIOU OS CÉUS E A TERRA. QUATRO DELES SÃO SAGRADOS…” (S.9 – V.36)

Além do mês do jejum consagrado a ALLAH (Ramadan), os 4 meses sagrados citados acima são: Muharram, Rajab, Dhul Qida e Dhul Hijja.

A Caaba Sagrada

A Caaba é o templo sagrado denominado de BAIT`ULLAHI ‘L’HARÁM (A Casa Sagrada de Allah), sua origem remonta ao período adâmico sendo o primeiro e mais antigo templo consagrado ao Senhor do Universo.

O solar da Caaba corresponde a estrela polar. Na tradição fidedigna consta que é como o centro do universo. A sua pedra fundamental (a Pedra Negra) (segundo algumas tradições) foi ali colocada por Adão (A.S.) pai do gênero humano. Destruída pelo dilúvio foi reconstruída por Abraão (A.S.) auxiliado por seu primeiro filho Ismail (A.S.), seguindo a Ordem e instruções de Allah, Exaltado Seja.

A pedra Negra (al hajaru aswad) se encontra fixada no ângulo nordeste da edificação e marca o ponto de início e de final do Tawaf (ritual das 7 voltas em torno da Caaba determinado por Allah). Este ritual simboliza o movimento circular dos anjos, dos céus e tudo o que neles há em torno do Trono de Allah. A sagrada cidade de MAKKA onde se encontra a Caaba é uma localidade vedada aos não-muçulmanos, nela se situam os lugares mais sagrados da terra e se encontram sepultados o próprio Adão (A.S.) e sua esposa Eva (A.S.).

Consagrada por Allah como centro de congregação para o gênero humano é o único lugar do mundo onde as preces nunca cessam. Se alguém quisesse ter o privilégio de ser a única pessoa a orar próximo da Caaba esta pessoa teria que esperar por anos e anos sem que jamais conseguisse fazê-lo. Durante os rituais anuais do Hajj (peregrinação) milhões de pessoas de todos os povos e raças ali se reúnem para cumprir os preceitos divinos, tal como foram ordenados ao Profeta Abraão (A.S.).

A Corrente Profética

O Alcorão menciona nominalmente alguns mensageiros enviados a seus povos como anunciadores, admoestadores e profetas. As tradições fiéis afirmam que de Adão (A.S.) a Mohammad (S.A.A.S.) foram enviados 124.000 mensageiros.

Diz Allah o Altíssimo no Alcorão:

“CADA POVO TEVE SEU MENSAGEIRO E QUANDO SEU MENSAGEIRO SE APRESENTAR TODOS SERÃOJULGADOS EQUITATIVAMENTE E NÃO SERÃO INJUSTIÇADOS.” (S.10 – V.47).

“ANTES DE TÍ, ENVIAMOS MENSAGEIROS, AS HISTÓRIAS DE ALGUNS DELES TE TEMOS RELATADO, E HÁ AQUELES DOS QUAIS NADA RELATAMOS…” (S.40 – V. 78).

Os Mensageiros Mencionados no Alcorão

– ADAM (Adão) (A.S.)
– IDRIS (Enoch) (A.S.)
– NUH (Noé) (A.S.)
– HUD (Heber) (A.S.)
– SALIH (Salé) (A.S.)
– IBRAHIM (Abraão) (A.S.)
– ISMA`IL (Ismael) (A.S.)
– LUT (Lot) (A.S.)
– IZ”HAK (Isaac) (A.S.)
– YAQUB (Jacó) (A.S.)
– YUSSEF (José) (A.S.)
– AYUB (Jó) (A.S.)
– SHU`AIB (Jetro) (A.S.)
– HARUN (Aarão) (A.S.)
– MUSSA (Moisés) (A.S.)
– YUSHA (Josué) (A.S.)
– ILIAS (Elias) (A.S.)
– AL`IASA (Eliseu) (A.S.)
– DAWUD (Davi) (A.S.)
– SULAIMAN (Salomão) (A.S.)
– YUNUS (Jonas) (A.S.)
– DHUL KIFL (Ezequiel) (A.S.)
– ZAKARIA (Zacarias) (A.S.)
– YAHIA (João) (A.S.)
– ISA (Jesus) (A.S.)
– MOHAMMAD, SELO DOS PROFETAS (S.A.A.S.)

A Genealogia de Mohammad (S.A.A.S.)

Mohammad (S.A.A.S.) filho de Abdullah – filho de Abdul Mutallib – filho de Hashim – filho de Abd Manaf – filho de Kusa’i – filho de Kilab – filho de Murrah – filho de Ka’b – filho de Lu’ai – filho de Ghalib – filho de Fihr (kuraish) – filho de Malik – filho de Nadr – filho de Kinanah – filho de Juzaimah – filho de Mudrikah – filho de Ilias – filho de Mudar- filho de Nizar – filho de Ma’dd – filho de Adnan – filho de Udd – filho de Udad – filho de Al Iasa – filho de Hamaisa – filho de Ia’rib – filho de Nabt – filho de Hamal – filho de Caidar – filho de Isma’il (A.S.) – filho de Ibrahim (Abraão) (A.S.) – filho de Azar(Taré) – filho de Nahur – filho de Sarug – filho de Argu – filho de Falag – filho de Hud (A.S.) – filho de Salih (A.S.) – filho de Arfaxad – filho de Sem – filho de Nuh (Noé) (A.S.) – filho de Lamek – filho de Mattaxalaj – filho de Idris (Enoch) (A.S.) – filho de Jarid – filho de Mahla’il – filho de Cairan – filho de Enos (Anuch) – filho de Set – filho de Adão (A.S.), pai do gênero Humano.

Os Doze Imames dos Ahlul Bait (A.S.)

Diz Allah , Exaltado Seja no Alcorão:

“Ó VÓS QUE CREDES, OBEDECEI A ALLAH, AO PROFETA E AS VOSSAS AUTORIDADES FUNDAMENTAIS.” (S. NISA`A – V. 59)

Jábir Ibn Abdallah narra:

“Perguntei ao Profeta: “Ó Rasulullah, conhecemos Allah e seu Mensageiro, mas então quem são Ulul Amr (as autoridades fundamentais) a quem Allah tornou a obediência igual a obediência a vós?Respondeu o Profeta (S.A.A.S.): “Eles são, depois de mim, os meus sucessores e os Imames dos muçulmanos….” (Ikmal Ul Din)

Disse o Mensageiro de Allah(S.A.A.S.):

“Allah Protetor e Majestoso me preferiu dentre todos os profetas e escolheu Ali como meu sucessor, determinando Al Hassan e Al Hussein para sucedê-lo e estabeleceu o filho de Al Hussein e os seus descendentes como os demais sucessores, os quais serão os guardiões da religião a fim de protegê-la contra a deturpação e a distorção dos pervertidos, bem como contra a adoção dos dissimuladores e contra a falsa interpretação dos extraviados.”

Os Doze Imames Sucessores são:

ALI IBN TALIB “AMR AL MUMININ” (A.S.)
HASSAN IBN ALI (A.S.)
HUSSEIN IBN ALI (A.S.)
ALI IBN HUSSEIN “ZAINUL ABDIN” (A.S.)
MOHAMMAD IBN ALI “AL BAQIR” (A.S.)
JÁFAR IBN MOHAMMAD “AS SÁDIQ” (A.S.)
MUSSA IBN JÁFAR “AL KADZÍM” (A.S.)
ALI IBN MUSSA “AR RIDA” (A.S.)
MOHAMMAD IBN ALI “AT TAQI” (A.S.)
ALI IBN MOHAMMAD “AL NAQI” (A.S.)
AL HASSAN IBN ALI “AL ASKÁRI” (A.S.)
MOHAMMAD IBN AL HASAN “AL MAHDI” (A.S.)

Aspectos Gerais do Alcorão

O ALCORÃO foi a última e definitiva escritura divinamente revelada. O termo Alcorão significa “recitação, leitura por excelência”. É a palavra divina descida dos céus e revelada ao Selo dos Profetas, Sayydna Mohammad (S.A.A.S.).

Diz Allah o altíssimo:

“ESTA É A REVELAÇÃO DO LIVRO INDUBITÁVEL QUE EMANA DO SENHOR DO UNIVERSO”. (S.32 – V.2).

O processo de sua revelação foi essencialmente o mesmo dos livros sagrados anteriores, o Arcanjo GABRIEL (A.S.), o nobre portador da Mensagem Divina, recitava palavra por palavra, versículo por versículo declarado por ALLAH ao Profeta (S.A.A.S.) como é afirmado no próprio Livro:

“ESTE ALCORÃO É UMA REVELAÇÃO DO SENHOR DO UNIVERSO, TROUXE-O O ESPÍRITO FIEL SOBRE O TEU CORAÇÃO.” (S.26 – V.192)

O ALCORÃO é portanto a palavra textual de ALLAH não havendo nele nenhuma palavra de Mohammad (S.A.A.S.) ou de qualquer outra criatura. A revelação em si, ocorreu paulatinamente e se estendeu por 22 anos, 2 meses e 22 dias e se compõe num total de 6.342 versículos, 77.930 palavras e 323.670 letras, em sua compilação final disposta em 114 suratas(capítulos). A conservação integral em sua forma original constitui-se por si só em um milagre sem paralelos na história da humanidade, este fato é reconhecido mesmo por estudiosos não-muçulmanos. Considerando, as diversas alterações e perdas sofridas pelos livros sagrados anteriores pode-se dizer que o ALCORÃO por esse aspecto é uma obra única.

Diz Allah, o Altíssimo:

“NÓS FIZEMOS DESCER A MENSAGEM E SOMOS DELA OS GUARDIÕES”. (S.15 – V.9)

De maneira que toda tentativa humana de adulterá-lo no passado ou no futuro está fadada ao fracasso. Sua fidelidade é tal que mesmo que se todos os exemplares existentes fossem destruídos isso não alteraria a mensagem desde que existem milhares de muçulmanos no mundo todo que o sabem de cor.

A Compilação do Texto Alcorânico

O Profeta (S.A.A.S.) foi um homem iletrado. Quando um determinado versículo (ou um grupo deles) lhe era revelado, era divinamente imprimido em seu coração e em sua mente. Em seguida ele recitava o que havia recebido e os que o seguiam memorizavam os versículos ouvidos. O profeta recitava todos os anos, no mês de Ramadan, perante o Anjo Gabriel (A.S.), a parte do ALCORÃO até então revelada e este lhe orientava quanto a ordem seqüencial dos versículos. Imam Ali Ibn Talib (A.S.) foi comissionado pelo Profeta (S.A.A.S.) a reunir numa primeira compilação todos os versículos na ordem de sua revelação. O Imam dos fiéis (A.S.) concluiu seu trabalho em seis meses (após a partida do Mensageiro de Allah (S.A.A.S.)).

Em virtude do martírio de muitos dos hafidzin (memorizadores), os califas também ordenaram uma segunda compilação. Foram convocados todos os que haviam memorizado o texto integralmente bem como todos que possuíam fragmentos escritos. Um cuidadoso escrutínio e confrontação de cada palavra e cada letra foi realizado, os memorizadores eram acompanhados de testemunhas idôneas dentre os companheiros a fim de assegurar a fidelidade do que se apresentava.

O Alcorão como Luz e Mensagem à Humanidade

Diz o Altíssimo no Alcorão:

“… E TE REVELAMOS O LIVRO, O QUAL É UMA EXPLICAÇÃO DE TODAS AS COISAS, É GUIA, MISERICÓRDIA E AUSPÍCIO AOS MUÇULMANOS”. (S.16 – V.89)

“… JÁ VOS CHEGOU DE ALLAH UMA LUZ E UM LIVRO LÚCIDO, PELO QUAL ALLAH CONDUZIRÁ AO CAMINHO DA SALVAÇÃO AQUELES QUE PROCURAM SUA COMPLACÊNCIA E POR SUA VONTADE OS TIRARÁ DAS TREVAS E OS CONDUZIRÁ PARA A LUZ, ENCAMINHANDO-OS PARA A SENDA RETA”. (S.5 – V.15 e 16).

O ALCORÃO é mensagem dirigida a toda humanidade, sem distinção de raça, cor, povo, região ou tempo. Nele estão detalhadas as diretrizes seja para os indivíduos ou para as nações e a lei divina (shariaah) nele constante é permanente e vigorará até o Dia da Ressurreição. Sendo escritura conclusiva cumpre e sela os livros sagrados anteriores, enquanto estes se constituíam em mensagens temporárias e dirigidas a povos específicos o ALCORÃO trouxe a Lei Universal a ser seguida por todo gênero humano.

Um fator único dele é a sua riqueza de linguagem e de imagens. O idioma árabe é de uma complexidade incomparável, nenhuma outra língua pode expressar com fidelidade ou manter a pureza e o impacto psicológico expresso no texto original. Desta maneira, a tradução ou adaptação é sempre uma idéia aproximada do sentido original, uma ferramenta prática para propagar a mensagem.

Quanto a profundidade das afirmações e o sentido pleno dos versículos requer um estudo cuidadoso e um conhecimento abalizado da língua, da história e das tradições e costumes semitas. Um aspecto surpreendente do ALCORÃO diz respeito a suas afirmações sobre a natureza do homem e do universo, afirmações tão precisas e perfeitamente comprovadas pela ciência 1400 anos depois da revelação que com freqüência cientistas antes ateus ou agnósticos tem se convertido ao Islam após pesquisar o ALCORÃO.

A razão declara que um homem iletrado, de uma época em que a ciência não havia dado sequer seus primeiros passos não poderia ter afirmado com tamanha precisão qualquer uma das muitas verdades científicas presentes no texto alcorânico.

Imam Ali (A.S.) relata o que Mensageiro de Allah (S.A.A.S.) disse:

“No livro de Allah há o esclarecimento do antes e do depois de vós e o julgamento entre vós. Ele é a decisão eterna, ele é o que se o tirano o abandona, Allah o punirá. E todo aquele que almeja outro conhecimento que não o Alcorão, Allah o extraviará. Ele é a linha sólida de Allah, a menção sábia e o campo da retidão, ele é o que os apóstatas não conseguirão desviar tampouco as línguas o enganarão e dele não se saciarão os sábios. Ele não definhará diante das muitas réplicas e jamais passarão os seus sinais. Ele é o que superou os gênios que, ao ouvirem sua recitação exclamaram: “E nós ouvimos um Alcorão admirável…” Ele é aquele de quem dele se utilizou chegou à verdade, e quem julgou por meio dele, chegou a equidade, e quem praticou atos de acordo com ele, foi recompensado, e quem exortou para ele, foi encaminhado para a senda da retidão”.

A Peregrinação do Adeus

No ano 10 da Hijra, o Mensageiro de Allah (S.A.A.S.) cumpriu sua derradeira peregrinação a Makka, na companhia de suas esposas e dezenas de milhares de muçulmanos. Após realizar os rituais preliminares, no dia 9 de Dhul Hijjah dirigiu-se ao Monte Arafat. E subindo ao cume do monte o Profeta (S.A.A.S.) ministrou um magnífico discurso a cerca de 120.000 fiéis do qual se segue uma tradução resumida e aproximada:

“Louvado seja Allah a quem agradecemos e imploramos auxílio e perdão e nos arrependemos diante Dele. Allah nos livre de nossos sentimentos cruéis e de nossas maldades, e aquele que é iluminado por Allah jamais se perderá e aquele que se perder, jamais terá tranquilidade, eu testemunho que não há divindade além de Allah, como testemunho que Mohammad é seu servo e Mensageiro. Eu vos recomendo cultuarem a Allah com muita devoção e vos exorto a sua obediência. Ó humanos! Ouçam-me pois talvez eu não mais vos encontre depois deste ano, aqui nesse lugar. O ganho da usura que existia nos tempos do paganismo está abolido, porém vós tendes o direito sobre o vosso capital., não sejais opressores nem oprimidos. Os homicídios do tempo do paganismo estão suprimidos. Ó humanos! Até encontrardes Vosso Senhor, é para vós sacrilégio que derrameis o sangue uns dos outros. Vós havereis de prestar contas a Allah daquilo que fizestes na vida terrena. As dignidades do tempo da ignorância estão abolidas, salvo a guarda da Caaba e o cargo de dar de beber aos peregrinos. O assassinato intencional será castigado pelo talião, e o assassinato semi-intencional em que se mata com um pau ou com uma pedra, custará a indenização de cem camelos. Qualquer um que exija mais, será um dos tempos do paganismo. Ó humanos, vós descendeis todos de Adão, e Adão veio da terra e nenhum árabe tem superioridade sobre um não-árabe, exceto pelo temor que tenha a Allah. Acaso não vos comuniquei a Mensagem? Unânimes, todos concordaram e o Profeta (S.A.A.S.) continuou: Que cada um de vós comunique para os ausentes. Ó humanos! Sabei que os muçulmanos são irmãos. Está para vós vedado tomar o que é do próximo, a menos que lhes seja oferecido com a anuência do outro. Entre vós, vosso sangue e vossos bens devem ser coisas sagradas como é sagrado este dia e este lugar. Não vos torneis depois de mim, pagãos, matando-se uns aos outros, pois voltareis a Allah e Ele vos pedirá contas de vossas ações. Tratai vossas mulheres com bondade. Elas são como cativas em vossa custódia, além disso, não possuís nada delas. Se incorrerem em algum mau comportamento, afastai-as de vossos leitos e castigai-as porém, sem infligir-lhes punição severa. Se vos obedecerem não recorreis a nada mais contra elas. Sabei que tendes direitos sobre elas e elas têm direitos sobre vós. É vosso direito que não vos traiam, nem permitam que entre em vossas casas quem detestais, elas tem o direito de que as trateis bem e que vos assegurem bem estar, dentro de um convívio generoso, pois as possuístes com a benção de Allah, e quando com elas casastes assumistes o compromisso sagrado perante Allah. Tende pois, vossas mulheres com temor a Allah (…). Quem tenha consigo um depósito confiado, que devolva a seu dono. Todas as vinganças pelo sangue derramado no tempo da ignorância estão canceladas, começando pela mais antiga. Ó humanos! Xaitan perdeu toda esperança de ser adorado nessa vossa terra. Se alguém, ainda sem adorá-lo, lhe prestar obediência cometendo más ações, Xaitan se alegraria com isso. Ó humanos, defendei vossa religião contra Xaitan! Que os presentes transmitam aos demais! (…) Ó Allah, escuta o meu testemunho!”

O Acontecimento de Ghadir Khum

Cumprindo sua última peregrinação, o Mensageiro de Allah (S.A.A.S.) deixou a cidade sagrada retornando a Medina e neste percurso ALLAH revelou-lhe o seguinte versículo sagrado:

“Ó PROFETA, ANUNCIA O QUE O TEU SENHOR TE REVELOU, PORQUE SE NÃO O FIZERES, NÃO TERÁS CUMPRIDO A TUA MENSAGEM, E ALLAH TE PROTEGERÁ DOS HOMENS. PORQUE ALLAH NÃO ILUMINA OS DESCRENTES.” (S.5 –V.67).

O Mensageiro de Allah (S.A.A.S.) uniu o povo numa localidade chamada Ghadir Khum onde discursou longamente sobre os nobres preceitos e lembrou-lhes dos dois encargos legados: O ALCORÃO e a sua família (A.S.) como guardiões de sua Sunna autêntica e disse: “Ó humanos, sabei que Allah Protetor e Majestoso é meu soberano e eu sou soberano dos que crêem e sou quem soluciona suas questões e não eles mesmos?” Em seguida, chamou Ali Ibn Abu Talib (A.S.) e disse: “Aquele a quem lhe sou soberano, Ali lhe será também. Allah apoiará a quem o acatar e se inimizará com quem se inimizar com ele”. Então Salman perguntou: “Ó Mensageiro de Allah, soberano como?” E o Profeta respondeu: “Soberania como a minha soberania, aquele que lhe sou mais importante do que a si mesmo, Ali lhe será também mais importante do que a si mesmo.” Nesse Momento, Allah lhe revelou o Versículo: “HOJE COMPLETEI PARA VÓS A VOSSA RELIGIÃO E TENHO VOS AGRACIADO GENEROSAMENTE E APROVEI PARA VÓS O ISLÃ COMO RELIGIÃO.” O Profeta então disse: “Allah é o Excelso! Completou-se minha profecia, completou-se a Religião de Allah e Ali é o meu sucessor.”

Em seguida, vários companheiros cumprimentaram Ali (A.S.) por essa designação.

Este relato encontra-se em uma série de coletâneas históricas de fontes xiitas e sunitas com pequenas variações e é sustentado por inúmeras narrativas de pessoas que presenciaram este acontecimento e de pessoas que foram informadas por aqueles que o presenciaram. Esta questão é concordante nos relatos dos historiadores sunitas e xiitas sendo que mais de cem companheiros do profeta o confirmaram em seus fundamentos e expressões. Dentre os livros que abordam este fato citamos: COLETÂNEA DE AHMAD IBN HAMBAL VOL. 4 PAG. 281, AL HÁKIM VOL. 1 PAG. 157 E 158.

Glossário de Expressões Islâmicas

ALLAH: Deus, o nome sagrado de Deus, o mesmo Deus citado na Torah como Yahavé. Segundo destacados lingüistas ALLAH é a palavra mais original de todos os idiomas humanos, cujo som não tem similar em nenhum outro idioma conhecido.
AKHIRAH: A eternidade, a vida futura.
AYAT: versículo, sinal, prodígio divino.
AL QUDS: A sagrada cidade de Jerusalém
AHLUL BAIT: A família do Profeta (S.A.A.S.)
AHLUL KITAB: denominação dada aos judeus, cristãos e masdeístas (povos do livro, pois receberam revelações (livros)).
A. S. – ALAIHI SALAM: expressão que significa a paz sobre ele, dita como referência honrosa aos profetas, enviados e Imames.
BARAKAH: Benção divina.
BARZAKH: Região intermediária entre a vida terrena e o Akhirah onde ficam as almas dos mortos a espera do julgamento final.
DUN’YA: vida terrena
DHIKR: recordação, menção de Allah, 2. a mensagem divina
FURQAN: 1. o discernimento 2. o ALCORÃO
FITR: A quebra do jejum
GHUSL: o banho ritual de purificação
HAMD: louvor
HAJJ: a peregrinação a casa sagrada
HADITH: dizer atribuído ao Profeta (S.A.A.S.) pl. ahadith
HALAL: o lícito, o puro.
HARAM: o ilícito, proibido e impuro.
ISTIGHFAR: pedido de perdão
INJIL: evangelho de Jesus (A.S.)
ISRAFIL: o anjo Rafael (A.S.)
JIBRIL: o anjo Gabriel (A.S.)
JIHAD: o esforço na causa de Allah
JÍN: gênio, criatura formada do fogo, dotada de livre-arbítrio como o homem
JAHANNAMAH: o inferno (também Jahim)
JANNAH: O paraíso
KÁFIR: o descrente
KUFR: A descrença
MUJÁHID: O que se empenha na causa de Allah
MASJID: mesquita
MALA ‘IKAH: os anjos
MIKAIL: O anjo Miguel (A.S.)
MÁSIH: O messias Jesus (A.S.)
MARIAM: A virgem Maria (A.S.)
MAHDI: O Imam oculto do final dos tempos
MIR’AJ: a ascenção do Profeta
MUNKAR e NUNKAR: os nobres escribas (anjos) que anotam as ações dos humanos.
MUJTAHID: sábio capaz de emitir opinião e deferir leis com base nos textos sagrados e da tradição.
MÁLIK: O anjo guardião do inferno.
NUBUWWAH: a profecia
NABÍ: grau de profecia, anunciador
QADAR: decreto divino
QABR: o túmulo, a dimensão do túmulo.
RIDWÁN: O anjo guardião do paraíso.
RASUL: grau de profecia, mensageiro.
RASULULLAH: o profeta Mohammad (S.A.A.S.)
SAJDAH: Prostração
SURA (TA): capítulo do ALCORÃO
SAUM: Jejum
SADAQAH: caridade
SAAS: sigla de “que a benção e a paz estejam sobre ele e sua família, referente ao Profeta (sal lalahu alaihi wa alihi wa salam)
TAHARAH: pureza ritual
TAWRAH: a Torah de Moisés (A.S.)
TAQWA: temor, piedade.
TAWBAH: arrependimento.
WAHÍ: inspiração divina, dada aos profetas (A.S.)
WUDU: ablução ritual
XAITAN: Satã, demônio pl. XAIATIN
XAHID: Mártir
XIRK: politeísmo
XI’AH: os partidários de Ali (A.S.)
ZAKAT: parte dos bens destinada aos necessitados
ZABÚR: os Salmos de Davi (A.S.)

«
»